Logo ABEV3

ABEV3

AMBEV S/A

Ativo em tendencia de BAIXA no gráfico semanal e no gráfico diário.  

Já conferiu a minha sala de análises na Clear? Venha acompanhar o mercado ao vivo comigo! Para criar seu cadastro gratuitamente, basta clicar aqui.

Mudança de Patamar

RAIO-X

Ambev atua no ramo de produção e distribuição de bebidas no Brasil e em outros 15 países na América. Sua atuação geográfica pode ser dividida entre Brasil (65% do volume em 2017), América Latina e Sul (21%), Caribe e América Central (8%) e Canadá (6%). O principal produto da empresa hoje é a cerveja, inclusive no Brasil (cerveja Brasil foi 50% do EBITDA total em 2017).

CATALISADORES

  • Recuperação da Economia e percepção de risco. O Brasil representa a maioria dos volumes da Ambev e um pouco mais da metade do EBITDA. Nosso cenário base assume recuperação dos volumes no segundo semestre, em função de melhora em indicadores, como confiança e renda disponível. Fatores estruturais devem ser os grandes catalisadores para os papéis e para a bolsa como um todo. Assim, a expectativa de juros mais baixos e medidas que permitam crescimento sustentável da economia deverão ser os grandes propulsores.
  • Custos menores. A grande desvalorização do Real durante o segundo semestre de 2015 e início de 2016, foi fortemente responsável pelo salto nos custos nos últimos 12 meses. Por conta da política de proteção (hedge) da empresa, os impactos dessa desvalorização foram sentidos 1 ano depois. A partir do quarto trimestre de 2017, a expectativa é que os custos caiam drasticamente na comparação anual (para crescimento próximo de 5% em relação ao 2 semestre de 2016).
  • Precificação. A precificação dos produtos é um fator importante para o preço das ações. A retomada da precificação para níveis históricos (prêmio sobre a inflação) pode ser um catalisador.

RISCOS

  • Competição. A Ambev ainda é líder de mercado com certa folga. No entanto, isso não impede que a concorrência se torne um obstáculo mais desafiador, como aconteceu em 2016. Guerra de preços e outros movimentos devem ser constantemente monitorados.
  • Impostos. Com a situação delicada dos estados brasileiros, não se pode descartar o risco de aumento de impostos. No entanto, atribuímos uma probabilidade menor a esse cenário, visto que o efeito líquido (do aumento de arrecadação ajustado pela queda de volume) pode ser até negativo.

TEXTO/VISÃO:

O primeiro semestre de 2017 foi desafiador para a Ambev, mesmo considerando a migração gradual dos indicadores econômicos para um cenário mais construtivo.

Por conta da pressão ainda grande em custos (custos – “CPV” – por hectolitro subiram 7% no 1S17, sendo que o Brasil contribuiu com CPV/hl 19% maior), as margens permaneceram baixas: margem bruta caiu 4,2 pontos percentuais (p.p) no 1º semestre (em relação à 2016), para 60,2%, e a margem EBITDA caiu 4,6 pontos percentuais (p.p), para 38,6%.

Além dos custos, os volumes apresentaram uma pequena variação de um ano para o outro (+2% no primeiro semestre de 2017), tendo em vista que indicadores, como o desemprego e a renda disponível, ainda estavam em recuperação. No entanto, o segundo semestre começou diferente: com indicadores econômicos apresentando uma melhora consistente e com os principais fatores de pressão de custo ficando para trás. Vale relembrar que a grande pressão aconteceu por conta da proteção cambial, referente à forte desvalorização do Real no segundo semestre de 2015.

Este efeito do câmbio é sentido, na média, um ano depois. Assim, essa mudança de patamar dos indicadores pode dar um tom positivo para as ações nos próximos meses, a partir do momento que os fundamentos refletirem esse cenário. Em conjunto com os fundamentos, a gradual diminuição na percepção de risco dos agentes torna o valor das ações da Ambev ainda maior.

 Outro ponto importante será a precificação. Historicamente, o preço médio dos produtos varia em linha ou acima da inflação. No entanto, abriu-se um gap entre 2016 e o primeiro de semestre de 2017, quando o reajuste ficou abaixo do IPCA e também da inflação da cerveja (2016: +3%; 1S17: -4%).

Para o segundo semestre fechado, a expectativa é que os preços sejam reajustados acima da inflação e que, no longo prazo, retomem a dinâmica antiga. Também há oportunidade se considerarmos o mix ainda pouco concentrado em cervejas premium. Hoje, essa categoria representa 10% do total, enquanto globalmente esse número é 30% na média. 

Close

Tenha acessso à análise completa da ABEV3 e de outras das principais ações da Bolsa

Obrigado! Aproveite seu acesso sem interrupções a todas as análises.